Shell leva Átila Abreu ao pódio em Santa Cruz do Sul na prova 1

A Shell voltou ao pódio da Stock Car neste domingo, com Átila Abreu conquistando o terceiro lugar na primeira prova da rodada dupla de Santa Cruz do Sul (RS). Foi a segunda etapa consecutiva com pódio do sorocabano, que já havia terminado em terceiro em Londrina (PR).

A corrida 1 também foi marcante para a maior patrocinadora do automobilismo brasileiro, que colocou três pilotos entre os seis primeiros pela primeira vez. Além de Átila em terceiro, Ricardo Zonta ficou em quinto e Galid Osman, em sexto.

Na primeira prova, Átila fez excelente largada indo pelo lado de fora e subiu para de décimo para sexto, imediatamente à frente de Zonta, que ganhou uma posição.

Na quinta volta, o motor de Thiago Camilo explodiu e derramou muito óleo na pista na aproximação para a curva 4, o que fez diversos pilotos escorregarem. Átila e Zonta quase saíram da pista, mas conseguiram evitar um acidente, e o paranaense pulou para terceiro, à frente do companheiro.

Zonta entrou nos boxes logo no começo da janela obrigatória de pit stops, mas Átila seguiu na pista o máximo possível e, quando entrou, estava em primeiro.No retorno, Átila ficou em terceiro, com Zonta em quinto.

Com um bom ritmo sólido de prova, os dois mantiveram as posições até a bandeirada final, e o sorocabano emplacou seu segundo pódio seguido, com o paranense obtendo mais um top5.

A segunda corrida teve uma largada muito complicada e dois acidentes distintos envolvendo muitos carros. Átila acabou acertado numa das colisões e teve de abandonar, com Zonta caindo de 6º para 12º

Após as paradas de todos os pilotos, Osman recuperou a liderança, mas acabou superado por pilotos que tinham os quatro pneus novos após abdicarem de bons resultados na prova 1. Galid fechou a prova em quinto, com Zonta em 11º.

A próxima rodada dupla da temporada da Stock Car será disputada daqui a três semanas, em Campo Grande (MS).

O que eles disseram:

“Ficou um lado positivo de conseguir um pódio vindo de décimo no grid da corrida 1, principalmente com a estratégia de box, que me deu esse terceiro lugar. Estava animado para a corrida 2, sabia que seria difícil pela característica da pista e pela estratégia dos outros pilotos, mas tínhamos boas chances de pontuar. Recebi um toque de outro piloto e fiquei ensanduichado na curva 1. Fiquei sem entender direito e quebrou a minha roda. Paciência, tem coisas que fogem do nosso controle, mas sair com um pódio é um bom resultado e vamos continuar trabalhando para buscar a vitória.”
Átila Abreu, piloto da Shell V-Power no carro #51

“Tínhamos um carro muito constante e próximo dos líderes na primeira bateria e optamos por abastecer mais pensando na segunda corrida. É uma pena que na segunda largada alguns pilotos da frente tenham se tocado, e eu perdi muito tempo. Caí várias posições e estávamos nos mantendo para atacar depois do pit stop, mas na parada perdemos tempo e não tive mais o que fazer. Muitos carros tinham quatro pneus novos, e não foi fácil.”
Ricardo Zonta, piloto da Shell V-Power do carro #10

Resultado da corrida 1:

1º J.Campos – 27 voltas
2º D.Serra – a 1s067
3º Á.Abreu – a 8s033
4º M.Wilson – a 8s847
5º R.Zonta – a 16s259
6º G.Osman – a 26s323

Resultado da corrida 2:

1º R.Maurício – 27 voltas
2º D.Navarro – a 1s193
3º N.Piquet – a 7s784
4º G.Lima – a 8s538
5º G.Osman – a 13s519
6º J.Campos- a 15s223

Classificação do campeonato:

1º D.Serra – 161 pontos
2º R.Maurício – 140
3º R.Barrichello – 137
4º J.Campos – 135
5º T.Camilo – 131
6º M.Wilson – 97
7º F.Fraga – 94
8º M.Gomes 84
9º G.Osman – 80
10º C.Bueno 79

13º R.Zonta – 67

16º A.Abreu – 54

 

Sobre a Raízen:

A Raízen, licenciada da marca Shell no Brasil, se destaca como uma das empresas de energia mais competitivas do mundo e uma das maiores em faturamento no Brasil, atuando em todas as etapas do processo: cultivo da cana, produção de açúcar, etanol e energia, comercialização, logística interna e de exportação, distribuição e varejo de combustíveis. A companhia conta com cerca de 30 mil funcionários, que trabalham todos os dias para gerar soluções sustentáveis que contribuam para o desenvolvimento do país, como a produção de bioeletricidade e etanol de segunda geração a partir dos coprodutos da cana-de-açúcar. Com 26 unidades produtoras, a Raízen produz cerca de 2,0 bilhões de litros de etanol por ano, 4,2 milhões de toneladas de açúcar e tem capacidade para gerar cerca de 940 MW de energia elétrica a partir do bagaço da cana-de-açúcar. A empresa também está presente em 66 bases de abastecimento em aeroportos, 67 terminais de distribuição de combustível e comercializa aproximadamente 25 bilhões de litros de combustíveis para os segmentos de transporte, indústria e varejo. Conta com uma rede formada por mais de 6.000 postos de serviço com a marca Shell, responsáveis pela comercialização de combustíveis e mais de 950 lojas de conveniência Shell Select. Além disso, a companhia mantém a Fundação Raízen, que busca estar próxima da comunidade, oferecendo qualificação profissional, educação e cidadania. Criada há mais de 14 anos, a Fundação Raízen possui seis núcleos no interior do estado de São Paulo e um em Goiás e já beneficiou mais de 13 mil alunos e mais de 4 milhões de pessoas com ações realizadas desde 2012.